Armindo Trevisan




Amor é Teu Olhar que Sobe

Amor é teu olhar que sobe
E desce torna a subir ao ramo
Desce ao poço detém-se

Na água porque a sede avança

E torna a subir em carícia
Pelo braço compraz-se
Em resvalar pelo declive

Do corpo em balanço
Como o movimento de um
Pêndulo e assim nunca

Sabes se o caminho
para ele é ascensão
ou simplesmente espera
sobre um trilho de pedras
mais do que uma ideia

sentimento porque
o subir e o descer crescem
na viagem indiferentes

ao amor até que a ames

como se nunca a tivesses
conhecido somente

fora do teu alcance.


Um comentário:

Saramar disse...

Ai, "a sede avança..."

Este verso é todo o poema, além desses versos embriagantes.

beijos