Florbela Espanca




O meu impossível

Minh’alma ardente é uma fogueira acesa,
É um brasido enorme a crepitar!
Ânsia de procurar sem encontrar
A chama onde queimar uma incerteza!


Tudo é vago e incompleto! E o que mais pesa
É nada ser perfeito. É deslumbrar
A noite tormentosa até cegar,
E tudo ser em vão! Deus, que tristeza!…

Aos meus irmãos na dor já disse tudo
E não me compreenderam!… Vão e mudo
Foi tudo o que entendi e o que pressinto…

Mas se eu pudesse a mágoa que em mim chora
Contar, não a chorava como agora,
Irmãos, não a sentia como a sinto!…




5 comentários:

Mário disse...

A sempre perfeita Florbela.

Sônia disse...

Triste...

Mar Arável disse...

Felizmente imperfeitos

conquistar dá trabalho

Anônimo disse...

triste tb... pq será... vai saber...

Saramar disse...

"Tudo é vago e incompleto!"

É assim que me sinto também.
Gosto muito de Florbela, com quem me identifico. Sempre nos poemas dela, encontro um verso que combina comigo.

beijos