Florbela Espanca




O meu impossível

Minh’alma ardente é uma fogueira acesa,
É um brasido enorme a crepitar!
Ânsia de procurar sem encontrar
A chama onde queimar uma incerteza!


Tudo é vago e incompleto! E o que mais pesa
É nada ser perfeito. É deslumbrar
A noite tormentosa até cegar,
E tudo ser em vão! Deus, que tristeza!…

Aos meus irmãos na dor já disse tudo
E não me compreenderam!… Vão e mudo
Foi tudo o que entendi e o que pressinto…

Mas se eu pudesse a mágoa que em mim chora
Contar, não a chorava como agora,
Irmãos, não a sentia como a sinto!…




5 comentários:

  1. Anônimo15:43:00

    A sempre perfeita Florbela.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo17:21:00

    Triste...

    ResponderExcluir
  3. Felizmente imperfeitos

    conquistar dá trabalho

    ResponderExcluir
  4. Anônimo10:24:00

    triste tb... pq será... vai saber...

    ResponderExcluir
  5. "Tudo é vago e incompleto!"

    É assim que me sinto também.
    Gosto muito de Florbela, com quem me identifico. Sempre nos poemas dela, encontro um verso que combina comigo.

    beijos

    ResponderExcluir

Não fazemos censura prévia mas os exageros serão deletados.