G Fornells




Mundo

É perceptível a força do vento,
do girar dos moinhos.
Não há como não ver as mãos secas
a sola calejada de meus pés..é muito o andar.

Por ruas de tantas cidades.
Paisagens coloridas, passagens
Momentos, pontes, caminhos
tanta gente, tanto mundo.

Mundo que acolhe e espele,
que distorce e arruina
nosso mundo
o que herdamos a cada instante.

Esse mesmo mundo da TV, que grita na sala
do som alto do playboy que passa na esquina
do homem que anda na rua maldizendo o nada.
Gente, mundo...tanto.

E parece que o moinho finalmente vai ceder,
ruir, sob a tempestade que o faz girar

Transformamos vento em furacão,
gente em cidadão, país em guerra
eleição em disputa
cidade em fera.

E percebo afinal que aquela flor
que plantei ante ontem,
morreu.
E eu nem vi.



Imagem:Bartosz Ksiazkiewicz

Um comentário:

Mimi disse...

E eu, nem vi nada, não reguei, não molhei.Só congelei nesse fds.

Léo, nesse tanto de gente e blogs o mundo, lamento dizer que compreendi tarde a beleza deste teu lugar.

mas eu vim para ficar e visitar sempre.

Beijo carinhoso