Saramar Mendes




DA PAIXÃO

Agora que ando sofrendo
Agora que ando doendo
da paixão que não me deixa,
não afasto o desejo de tua boca
e dos fatais murmúrios de desnortear.

Mesmo que viva a doer,
quero teu sol queimando minhas coxas
e tuas chuvas infinitas
desvendando o caminho das rosas.

Ainda que ande a sofrer,
desfaço o deserto todas as noites
meu corpo molhado no lava de sal
do teu corpo
o transe da carícia
a língua solta
e o gemido
que fende o jardim
e alimenta a rosa
ao norte, ao sul.

Ainda que morra desse doer,
quero-te nos meus becos.



Saramar gentilmente escreve para o Suite.

6 comentários:

Ernesto Ribeiro disse...

Sara... eu perdi a companhia de minha garota, e agora não estou me sentindo bem o bastante para apreciar a poesia

a sua, sempre bela e tocante,

refinada e elegante,

e o que é melhor:

subversiva...


abraços,

Eddy

Marco disse...

Ah, minha querida Saramar...
Muito obrigado por me convidar a ler seus magníficos poemas. Me chame que eu vou onde voc~e estiver, onde seus escritos estiverem inundando os olhos de poesia dos bem aventurados que te lêem. Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

Angela Ursa disse...

Saramar, intenso seu poema!! Adorei! Beijos da Ursa

Tigrão disse...

Menina linda,

qual o sabor desse teu beijo guardado, que universos podem desvendar?
Teu nome é mulher.
bjs

Sônia disse...

Muito lindo!

Bill Falcão disse...

Recebi seu recado, Saramar, e vim conferir mais um belo poema de sua lavra!
Bjooooooooooo!!!!!!