Douglas Mondo





Amantes

Largado como qualquer sujeito.
Vivendo cada dia como se não tivesse jeito,
feito solidão com dor no peito,
te encontrei feito amor louco desvairado.
Fui teu amado,
teu namorado,
sempre perto quando requisitado,
sorrindo, amante no cio fiquei.
Coloquei meu corpo no teu,
sobre, embaixo, entre.
Entrei, voltei, entrei, gozei.
De ti mulher me lambuzei e amei.
Fui delicado, charmoso, apaixonado
e quando mandaste ser forte, duro,
fundo...fui e arrombei.
Sou teu escravo, sou teu rei.
Deitado em teu colo,
com vontade de rir e chorar,
somos loucura, somos felizes,
somos o fogo queimando o mar.




4 comentários:

darlene disse...

Onde encontro? É leilão?...rs
Sem brincadeira, poema apaixonante e intenso, gostei

darlene disse...

Essa foto em preto e branco arrasou.Maravilha...ai....ai

Sônia disse...

Lindo demais, não é não Darlene? rs...

Saramar disse...

Pelo tom inicial do poema, pensei que o amor tão grande não chegaria ao final do oema.
Que alívio! Ele foie continua sendo o "fogo no mar".
Lindo! É um desses oemas que nos fazem sonhar.

beijos