Charles Baudelaire





Recolhimento

Sê sábia, ó minha dor, e queda-te mais quieta.
Reclamavas a tarde; eis que ela vem descendo:
Sobre a cidade um véu de sombras se projeta,
A alguns trazendo a angústia, a paz a outros trazendo.

Enquanto dos mortais a multidão abjeta,
Sob o flagelo do prazer, algoz horrendo,
Remorsos colhe à festa e sôfrega se inquieta,
Dá-me, ó dor, tua mão; vem por aqui, correndo

Deles. Vem ver curvarem-se os anos passados
Nas varandas do céu, em trajes antiquados;
Surgir das águas a saudade sorridente;

O sol que numa arcada agoniza e se aninha,
E, qual longo sudário a arrastar-se no Oriente,
Ouve, querida, a doce noite que caminha.




12 comentários:

Angela disse...

E nos teus bracos alcancar...
docemente, espiritualmente
sem principio, sem terminar
esse momento impermanente!

darlene disse...

Belos versos Angela, bela postagem Leo. Esse espaço é muito especial, aconchegante.

Anônimo disse...

um, aconchegante é a minha cama.

darlene disse...

Faça bom proveito, Anônimo....rs

Sônia disse...

Darlene?! Isso foi uma cantada menina! KKKKK!

darlene disse...

Eu sei, mas como aceitar uma cantada anônima?

Anônimo disse...

cantada o escambau... quero mulher na minha camao nao, opá! rsrs
mas se quiser usar como fantasia pode, eu deixo, hahahah bjos

Sônia disse...

Xiii Darlene...é mulher, ou gay! KKK!

darlene disse...

Vai ver é bem casado...mas bem casado anda cantando por aí?...kkkkkkk

Anônimo disse...

mulher...por enquanto...mas posso mudar de idéia, um dia ser gay...pq nao? ce la vie!!

beijinhos

Sônia disse...

Pode sim anônima! Eu não duvido!

darlene disse...

Tá vendo Sônia, é necessário cautela, o anônimo é anônima...rs por enquanto tudo na mesma....rs