Edmundo Fonseca e Bispo





Simples

Gostava de ser mais simples,
E ser simples não é vulgar.
É ser-se distinto por simples,
Ser-se em qualquer lugar.

Dizer simples palavras,
Ditas de forma simplória;
Ouvir os outros, ser-se atento,
Enquanto nos conta a sua história.

Andar de simples maneira,
Solto de transeuntes olhares;
Quem escreve de simples maneira,
É lido em muitos outros lugares.

Gostava de mais simples ser,
Subtrair a complexidade,
Das coisas, feitos, quereres
Pondo em tudo simplicidade.

Esquecer a filosofia,
Já basta no labor pensar,
Já basta durante o dia,
Sentir na alma tanto pesar.

“Por favor, simples o meu café
doutro país?
Não, agradeço.
Quero beber aquele que
Tem sabor sem elevado preço.

Gosto de simples pessoas,
Que falam de livre maneira,
Sem cálculos ou gestos, as boas
E mesmo as más à minha beira.

“Do que pensa o receptor
Das palavras que lhe dediquei?”
Gosto particularmente,
Daqueles versos simples.
Adorei!

E o que quero da vida é simples,
Que não é muito (digo eu).
É ter no espírito paz,
E guardar tudo que me aconteceu.




4 comentários:

darlene disse...

Momento perfeito para tão pura mensagem.
Simplesmente apreciar parece fácil, mas é uma arte.
A arte de saber viver simplesmente.
Amei a figura, gosto muito de lugares como esse da figura.

Mar Arável disse...

O simples não é complicado

mas é muito complexo

Anônimo disse...

AAmei! beijos

darlene disse...

Olá anonimo, voltou, bom regresso.
As férias foram boas?