César William




Sufocação

Uns me afogam
inundam-me de fantasias.
Outros me cortam o sorriso,
Rompendo-me os dias.
E assim vou balbuciando
Com meus versos pródigos.
Sinto o que os outros sentem
O que não me deixaram sentir
E assim vou levando a vida
Sem deixar me permitir...
Outros me sepultam
Sem antes deixar que eu nasça
E assim vou levando a vida
No cemitério ou na praça.


3 comentários:

darlene disse...

Caramba....que triste....muito triste

Sônia disse...

A ordem é a seguinte:

Depressão
Sufocação
Morte

Anônimo disse...

Trata-se de um poema originalíssimo, com antíteses bem trabalhadas. (Joyse Arruda)