Nei Duclós




É bom o mar

É bom o mar
não ter dono
Não ser potro
nem mordomo
Poder engolir
Netuno
Espumar sal
das esferas

Ninguém pasta
no seu dorso
Nenhum nó
ata sua vela
Gávea que traz
no bojo
Bóia que a flor
navega

Como repasto
de pedra
Como fermento
de estrela
São peixes
fora do espelho
São aves
em assembléia

O bom do mar
é que dançam
numa volúpia
serena
os versos feitos
por anjos
que estudam
com muito esmero

o mar, esse Deus
travesso
que se bobear
pega praia.




2 comentários:

Nei disse...

Ficou demais esta edicão do meu poema É Bom o Mar, que faz parte do livro Partimos de Manhã, ainda inédito. Belo blog. Obrigado!

darlene disse...

Realmente, Leo. Ficou primoroso.