Beth Brait Alvim




Eu nunca quis ser madona

no fim e no fundo
cada noite um tango me desconcerta
uma luta me encolhe e me expande feito fantasma
não sei se ando ereta ou se pareço torta
ou se sinto estar torta e só talvez esteja certa
ou se no fundo tudo é medo ou se
a vida é coisa rasa
e no fim tudo é simples demais
e isso é no fundo o que choca

vivo de ensaio e de arremesso
e se me considero um projeto
ou se alcanço o outro extremo
o que é vero é sempre um desmaio
que é bem mais difícil mas certo

só sei que o sério
não se sustenta
e no fundo
me dá um baita cansaço
um enjoo profundo
e não compensa

no fim boto fora o que
camufla e explica
cartesianamente
desse encolhido ocidente
o tamanho coma

pouca gente gosta
quase ninguém entende

sorry
sejam pacientes

eu nunca quis ser madona.



Imagem:Simom Schubert



Um comentário:

BETH BRAIT ALVIM disse...

saibam, meus caros, tenho mutíssimo prazer em ler minha madonna neste doce blog.Divulgo, mostro, conto, falo.
kisses
beth brait alvim