Francisco Galvão






À Paixão

Porque a tamanhas penas se oferece pelo pecado alheio e erro insano o terno Deus? Porque sujeito humano não pode com o castigo que merece? Quem padecera as penas que padece, quem sofrera desonra e tanto dano, ninguém senão somente o Soberano que reina, serve, manda e obedece? Foi a força do homem tão pequena, que não pode sofrer tanta aspereza, que não sustém a lei que Deus ordena: Sofreu aquela imensa fortaleza por puro amor à nossa vil franqueza; para o erro foi só, e não p’ra pena.


Nenhum comentário: