Vicente Bastos





Soneto da dúvida


Rever-te em breve dia quem me dera,
E como quero! E na espera eu canto.
Rever-te tanto quero e, no entanto,
Receio finde ali a última quimera.

E nessa solidão de Ideal, portanto,
Transito dia a dia em vil espera.
Mas, no te rever, vai ver me espera:
A pá final de cal sobre o meu canto?

E ainda assim, com o rever-te sonho,
E sinto um sopro de passado redivivo.
Mas o riso se esvai, pois se me ponho,

A todo instante, ao duvidar coercivo:
Vai ver, melhor o recordar tristonho,
A te atestar ao sonho dado o abortivo.


Imagem: Fun Guerilla



Um comentário:

darlene disse...

Intrigante texto e imagem,