Gláucia Lemos





Se Te Amar Não Fosse


A solidão aguça o olho da noite.
Rola no tempo o tédio da amargura.
Ah! Se te amar cantasse uma alegria
de mão a deslizar em suave colo,

se fosse como luva acetinada
que envolve a mão de que eu seria a luva
a te vestir na exatidão precisa,
a mão serias tu, e nosso, o gozo.

E se te amar um látego não fosse,
grande seria o festejar das bodas
no abraço unificando um mesmo anseio.

Ah! Se te amar não fosse como um cardo,
como horizonte turvo, como um gume,
como morrer de sede olhando um rio . .


Imagem: Moony Khoa




2 comentários:

darlene disse...

Morrer de sede olhando or rio é tragico demais, não estou pra esses escritos, eu quero é alegria prazer e fartura

Sonia disse...

Se não fosse...putz! é pra acabar...