João Manuel Simões





Diálogo Comigo

Falo comigo, falo.
Mas só me escuto quando,
em silêncio pensando,
me calo.

O que diz minha boca?
Mentira vã, sonora?
Tudo o que digo agora,
sufoca.

Ânsia íntima, larga,
de seguir só e mudo.
Tudo o que conto, tudo
amarga.

Minha voz de ontem brota
de um legendário hoje.
Subitamente foge,
ignota.

Quem serei? Desconheço.
Se chegar a sabê-lo,
a ninguém o revelo:
esqueço.


Imagem: Alister Konrad



2 comentários:

Sonia disse...

Imagem interessante...
Também falo comigo...falo, falo, falo...mas não me escuto...rs

darlene disse...

Eu ouço, eu calo, eu falo e eu tento, eu invento me concentro e começo novamente.