Antonio Carlos Osório





CATARSE

Não haja desabafos
que os não contenha o verso.

Guarde e tumule
convertendo-as em silêncio e em lavor
as cinzas das dores do mundo
que penetram os olhos, a boca acerba, os ouvidos
e os poros todos do poeta.

Há que sufoca-las e reacende-las
na lareira rediviva rubra
do canto
(ritmo ácido corroendo
(papel e coração).

Não haja desabafos
nem confissões nem blasfêmias.

Guarde o escrínio
apenas a árdua essência
já depurada da fragrância amarga
do ato de existir.

E brote um cristal o verso
(da lágrima apenas a forma)
com a pureza fria da água da montanha
a cair na estrada esquecida já de seus caminhos
e por isso apta à sede de todos os andantes.

Photo: Rudy Bchovat



Um comentário:

darlene disse...

Tocante:
'E brote um cristal o verso
(da lágrima apenas a forma)
com a pureza fria da água da montanha
a cair na estrada esquecida já de seus caminhos
e por isso apta à sede de todos os andantes'

...Uma lagrima em cristal deve ser uma bela imagem...