Maria Teresa Horta









Abrigo-me de ti
de mim não sei
há dias em que fujo
e que me evado

há horas em que a raiva
não sequei
nem a inveja rasguei
ou a desfaço

Há dias em que nego
e outros onde nasço

há dias só de fogo
e outros tão rasgados

Aqueles onde habito com tantos
dias vagos.




Um comentário:

darlene disse...

Lindo poema.

Tanto sofrimento me faz pensar que está perdendo dias e dias que nunca voltarão.