Chico Miranda







Medo

Eu tenho medo da lembrança da infância
e dos homens de poucas palavras.
Eu tenho medo dos sonhos, das fantasias
e das facas de dois gumes.
Eu tenho medo do homem de capa preta
e dos jogos de azar.
Eu tenho medo do canto do galo no telhado,
da lagoa secar,
da chuva não vir,
do legume acabar e do jardim não florescer.
Eu tenho medo da bomba explodir e do caos aumentar,
do ar poluir-se mais e dos peixes morrerem.
Eu tenho medo do coração parar de bater, da guerra chegar...
Eu tenho medo do amor acabar!



Imagem: Raphael

15 comentários:

darlene disse...

Todos esses medos só me faz pensar que dever aproveitar da melhor forma essa dádiva que é a vida.
Mesmo que o jardim não floresça mais terei a agradável lembrança de o cultivar e o ver florescer. De amar e ser amada. de ter sido criança em sua totalidade, feliz, traquina....rs.
Cuidemos pois do nosso mundo, nós e ele merecemos uma chance, não deixemos o medo nos paralizar.



avante....rs

darlene disse...

Essa figura, com esse olhar....caiu como uma luva.

Sônia disse...

Fiquei com medo da figura...ai...rs

Anônimo disse...

o texto é bonito, mas os coments de sonia e darlene sao tao contraditórios... é a alma humana nua e crua.

Anônimo disse...

ah, outra coisa, pedi que me informassem onde encontraram meu poema (no post "isabel" a fim de ler os outros que escrevi, nao obtive resposta alguma. se nao podem ou nao querem, nao vou insistir.

Galeria BSB disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Léo Scartezzine disse...

Bom dia Isabel
Por aqui temos opiniões divergentes e é nisto que reside a diversidade a ser respeitada.Deus me livre da uniformização de idéias. Atenha suas críticas ao blog e não em quem o frequenta.

Tem um poema postado aqui que vc diz ser seu. Não tenho como informa-la de onde eu o tirei, até porque um mesmo poema pode ser postado em diferentes lugares. Caso o fato esteja lhe preocupando podemos exclui-lo a qualquer momento caso deseje.

Anônimo disse...

Boa tarde, Leonardo.
Sonia e Darlene sao colaboradoras, nao? mesmo se fossem somente frequentadoras, tenho liberdade para dizer o que penso ou acho na hora que eu bem entender, até me desculpar se for o caso...
Se o dono do blog nao concorda tem a opçao de nao publicar, bloquear ou apagar os comentários. Nao me tire a palavra (ou tire), isso é democracia!

quanto ao poema, nao há problema algum, apenas pedi que me dissessem onde encontraram, queria reler os outros, só.

Sônia disse...

Qual o seu sobrenome Isabel?
Só Isabel...fica difícil encontrar.
Quem sabe com o sobrenome, achamos os outros poemas? O que acha?

Léo Scartezzine disse...

Tudo bem Isabel.

Anônimo disse...

Isabel foi um pseudonimo q usei, nao há sobrenome e nao lembro o nome do blog.

Sônia disse...

Aham...rs

darlene disse...

Esse anonimo tem como pseudonimo Isabel...meu nome é Darlene mesmo.

Anônimo disse...

olha aqui, nao me importo com o q vc acham ok. morreu o assunto.

*poemas faço outros, sempre.

Sônia disse...

E o meu é Sônia mesmo...rs